sábado, 1 de fevereiro de 2014

Álbum clássico do Green Day, 'Dookie' completa 20 anos


Dia 1º de fevereiro de 1994: Sai pela Reprise Records o disco 'Dookie', o primeiro trabalho de um trio de Punk Rock até então pouco conhecido chamado Green Day. Ao mesmo tempo é lançado o clipe de 'Longview', que contribuiu para que os três garotos de East Bay ganhassem visibilidade após o ele ser passado exaustivamente na MTV americana.

Daí em diante, acredito que muitos já sabem da história toda.

O fato é: o disco foi uma das peças fundamentais para a explosão do 'Punk Class of '94'. E sabendo dessa influência na vida de muitas pessoas, resolvi perguntar para vários músicos e fãs qual a importância desse disco para eles.

Confira os depoimentos:

Edipo Thiago - Seed
Bom, o 'Dookie' entrou na minha vida em 99 para 2000. Ficava gravando clipes de bandas no meu VHS, e um dia por acaso gravei um clipe da 'Basket Case'. Já de cara aquela música tinha algo muito forte. O primeiro batera da Seed era o único que tinha internet na época, e baixou algumas musicas, entre elas, 'Burnout' e 'Sassafras Roots'. Elas foram as primeiras covers de Green Day que fizemos. Mas em 2001 eu ouvi na integra esse álbum. Ouvir 'Coming Clean', 'Welcome To Paradise' e 'In The End' foi que mudou meu conceito sobre música e me fez querer tocar punk rock sempre! Até hoje é uma grande influência pra mim!
Marcelo Beyer - Police Play Eggs
Foi o terceiro álbum que escutei do trio verde. Por incrível que pareça, conheci a banda em 95 com 'Insomniac' (amor a primeira ouvida), logo seguida Kerplunk e então a consolidação: 'Dookie'. Para mim são 14 clássicos que me inspiram até hoje, Eles me fazem continuar com minha banda e alguns sonhos. Álbum único, criado, feito e produzido no momento certo, jamais haverá outro 'Dookie'. E se tivesse, talvez não fizesse tanto sentido.
Álvin Soares - Green Day Library
O 'Dookie' foi o primeiro álbum que ganhei. Peguei a capinha colorida do álbum, direto na caixa de som e fiquei lá ouvindo música por música, sentindo aqueles ritmos de guitarra rápidos e fortes, com grandes linhas de baixos. Foi quando decidi procurar por traduzir as letras e ouvir, lendo-as e me identificando com cada verso. Sabia que aquilo ali que eu realmente gostava e sentia prazer em ouvir. E como o 'Dookie' mudou minha vida, afinal? Mudou principalmente no modo de agir. Aprender a não ligar pra coisas relevantes demais, aprender a de vez em quando não ligar pro que os outros falam. Passando por algumas letras diferentes e engraçadas que faziam-me refletir sobre meu comportamento em alguma situações, lidando com problemas de uma forma diferente. E as letras do 'Dookie' expressam essa forma juvenil de sair fácil de algumas situações de dúvida. 
Delton Porto - Firstations, Dissonicos e The Bombers
O ano é 94, provavelmente um dos anos mais marcantes para minha vida e que guia os meus gostos musicais e muitas outras coisas até hoje. O Green Day com o seu 'Dookie' tem muita culpa nisso. Já conhecia o trio desde 1992, mas em imagens foi exatamente há 20 anos atrás na divulgação desse disco que tive aquele "choque" quando vi o clipe de 'Longview' na casa de um amigo e principalmente aquele show histórico de Chicago da MTV. Pra mim um dos discos mais importantes já lançados.
Jocee de Quadros - Editora do Fã-Site Idiots.com.br
O 'Dookie' foi o álbum que mostrou o Green Day ao mundo. Sem dúvida, foi um divisor de águas na carreira da banda, abrindo caminho para tudo o que eles construíram até agora. O punk rock dos garotos (na época) de Oakland chama a atenção dos jovens até hoje, com letras que faz as pessoas se identificarem, e riffs inconfundíveis. É um dos álbuns clássicos que toda pessoa deveria ouvir. Foi através deste álbum que conheci o Green Day, na minha pré-adolescência. O primeiro clipe do Green Day que vi foi 'Basket Case' – e me chamou a atenção na hora. A partir de então, me tornei fã. 
Carolina Ahmed - Editora do Green Day Eulogy
Não tive o prazer de conhecer o Green Day na época de lançamento do 'Dookie' e não ter participado de todo o frisson que veio com ele. Billie, Mike e Tré chegaram na minha vida anos mais tarde, mas como não poderia deixar de ser, me foram apresentados através de 'Basket Case'. Tudo graças à ela! E como não amar essa música? Me lembro de uma citação do Billie Joe onde ele diz que 'Basket Case' é uma daquelas músicas que parou de ser dele e agora pertence a todos que a cantam na plateia. Eu acrescentaria e diria que é assim que funciona com todas as faixas do Dookie, um disco que marcou uma geração e continua impactando não somente os fãs de Green Day, mas do rock. E, assim como fez com milhares de pessoas, mudou a minha vida. 
Teeago Lima - Ilustrador
Meu primeiro contato com o 'Dookie' se deu de modo simples e objetivo - assim como as canções do álbum – através de uma gravação em K7 que passou de mão em mão dos “figurinhas carimbadas” da Escola. A sonoridade do álbum - muito diferente do que estávamos acostumados durante o início dos ‘90’ (era Pré-Dookie) - resultou no fanatismo pela banda, sacramentado após a exibição do 'Jaded in Chicago', que apresentava-nos um Billie elétrico e insano, assim como no álbum. Canções favoritas [?!] “Sassafras Roots”, “Having a Blast”, e mais 13! 
Luiz Ferreira - Esganiçado, Bia e os Farrapos
Simplesmente mudou a minha vida! Com 11 anos, eu não tinha muita expectativa quanto ao futuro, provavelmente seria mais um bunda-mole de gel que se importa mais com o carro do ano do que com o verdadeiro valor das coisas... Enfim, todas as musicas diziam um pouco sobre os problemas que eu vivia na época, me faziam me sentir bem... Era algo novo! Foi o primeiro disco de punk rock que ouvi e até então não tinha noção nenhuma do que era esse "mundo". Me identifiquei na hora! 
Vitor Valladão - Monday Sucks
Dookie foi um dos discos de punk rock que mais fizeram os adolescentes se apaixonarem e tomarem seu som como estilo de vida. Um dos álbuns que mais influenciou e influenciará pessoas no mundo todo, energético e rápido porém bem escrito e agradável de ouvir a qualquer momento. Só tenho o que agradecer por esse disco. 
Victor Birkett - Depois da Tempestade
Eu no alto dos meus 20 anos (sou de 1993), não tive como acompanhar o primeiro estouro midiático do Green Day. Acabei conhecendo pelo segundo com o 'American Idiot'. Nisso adorei a banda. Junto com meu infalível Kazaa e minha internet discada procurei saber mais sobre a banda. Sem Youtube, jogávamos o nome do grupo e 'seja o que Deus quiser'. Acabei conhecendo clássicos como 'She' e 'Basket Case'. Nisso passei férias na casa do meu tio (guitarrista Alexandre Birkett) e em uma passada numa loja de discos de um amigo dele, no bairro do Gonzaga, em Santos, vi o Dookie na prateleira. Foi amor à primeira vista. Ele me deu o disco e fiquei arrepiado na primeira audição, principalmente com 'Burnout', meu som preferido do grupo, disparado. Nunca havia escutado o álbum inteiro, me senti nos anos 70, 80 quanto as pessoas compravam discos por conhecer outros trabalhos da banda, indicação ou porque a capa era legal. Não me influencia diretamente na Depois da Tempestade, mas com certeza foi trilha sonora da minha adolescência.
Matheus Krempel - The Bombers
Honestamente, em 1994 era complicado curtir Green Day, as pessoas tinham muito preconceito, pelo fato dos caras terem assinado com uma Major Label e não serem totalmente independentes. Mas aquele show de Chicago (que passou na MTV) mostrou pro mundo, como eles eram escória punk da melhor qualidade. Eles tinham um Q de Buzzcocks, outro tanto de Ramones, uma atitude Pistols e muitos, muitos Hits. Um disco em que era inegável a qualidade das canções. Músicas que ficaram para sempre e até hoje ainda encantam. Lembro da primeira vez que eu os vi foi no clipe de 'Longview'. Achei estranho pra caralho! Um vocalista psicótico destruindo um sofá a facadas. um baixista esquálido e com cara de louco. Todos aparentemente anfetaminados e pulsando ao ritmo da música. Estranhei tanto que demorei a me render. Mas foi com 'Basket Case' que a minha ficha caiu. Que letra, que música, que energia. Hoje coloco 'Dookie' na lista de discos clássicos de Rock. Alias... Hoje todo mundo coloca o 'Dookie' nas listas de melhores discos de rock dos anos 90. Lembrando que ele foi lançado logo após o mundo Rockeiro ficar órfão de uma banda que fizesse a transição entre underground e Mainstrean. Se não fosse pelo 'Dookie', provavelmente não teríamos a tal onda Neo Punk, responsável por fazer Rancid, Offspring, NOFX, se tornarem mundialmente conhecidos. Obrigado por popularizar o Punk Rock, Green Day! Lógico que tudo isso teve o seu lado ruim... Mas isso não vem ao caso hoje. 
Guilherme Lopes - Shileper High e Green Day Cover
O lançamento do 'Dookie' foi um divisor de águas na minha vida. Quando assisti o clipe de 'Basket Case' na MTV pela primeira vez fiquei completamente hipnotizado. No dia seguinte comprei o disco e naquele momento deixei tudo o que até então ouvia, para passar extensas horas ouvindo ele no "repeat" sem pular uma faixa sequer. Aquelas melodias, que transbordavam euforia, entravam dentro de mim e se conectavam com tudo o que sentia. Casavam perfeitamente com a fase que eu estava, traduzia tudo o que eu pensava! Era como se tudo o que sempre eu queria dizer estava sendo expressado alí mesmo, numa manifestação de pura energia. Carrego o 'Dookie' até hoje comigo, foi o disco que me fez virar fã de Green Day e que me fez tomar o rumo da música e formar uma banda. 
Otávio Júnior - Life Line
Dookie literalmente o CD que determinou meu gosto musical. Foi o primeiro disco do Green Day que ouvi, pegando emprestado de um amigo em 2002. Na época que ouvi o 'Dookie' pela primeira vez, além de trazer grandes hinos do trio, tinha toda a essência que eu procurava em uma banda e me proporcionou meu primeiro arrepio ouvindo uma musica. Foi o álbum que me fez ir atrás de novas bandas do gênero, que mais tarde descobriria que se chamava “punk rock”. E determinou o Green Day como a banda que eu mais ouviria na minha vida. Sem exagerar, o 'Dookie' foi um divisor de águas. Pois vivi muitas coisas graças a banda. Se eu não tivesse escutado aquele CD riscado emprestado por um amigo, eu não teria começado a tocar guitarra. E então em 2011 consegui montar minha banda, que traz Green Day como uma de suas influências. Minha paixão pelo trio, me fez conhecer grandes pessoas que agregaram muito a minha vida, e agregam até hoje. Graças a eles vivi o que considero “o melhor dia da minha vida”. O dia 20/10/10, show do Green Day em São Paulo, onde “cantei” Longview (minha musica favorita desde 2002) com meus ídolos. Resumindo, Costumo dizer: Graças ao Green Day, conheci as melhores pessoas, vivi os melhores momentos e tive as piores ressacas. 
Tércio Testa - Lomba Raivosa
'Dookie' 20 anos? Nossa... Me lembro bem de quando vi algo do 'Dookie' pela primeira vez. Eu assistia a Beavis and Butt-Head e do nada começa um clipe de um trio em um manicômio, absurdamente colorido e um cara com semblante de louco e uma música como eu nunca havia ouvido. Fiquei impressionado. No dia seguinte um amigo me emprestou o disco e minha vida começou ali. Nada mais foi o mesmo... Tudo o que tenho e faço hoje em relação à música começou com o 'Dookie': minha primeira guitarra, minha primeira banda, todas as viagens e shows que fiz e faço, além de todos os meus amigos vieram após eu ter ouvido o CD pela primeira vez. Impressiona como o disco soa tão bem é relevante ainda hoje, fazendo ainda com que eu conhecesse milhões de outras bandas que vieram depois deste lançamento. com certeza é um dos discos que mais ouvi e graças a este e ao Green Day, formei minha personalidade e sou quem sou hoje.
Régis Matsumoto - Firstations e Dissonicos
O 'Dookie' foi um CD que me fez fazer coisas. Hoje em dia não faço tantas coisas quando ouço o álbum, porque já fiz. Tive que vender meu vídeo-game (Super Nintendo) com 12 jogos e 2 controles pra comprar a minha primeira guitarra. Eu sabia que seria uma grande perda do meu momento solitário, mas eu precisava tocar aquelas músicas. Eu precisava tocar aquela introdução de 'Basket Case' ou 'When I Come Around'. Eu tinha que sentir nos dedos o que eu sentia com os ouvidos. Mas eu nunca tive vontade de arremessar cocô nas pessoas, mesmo ficando horas e horas olhando para aquele encarte, que por sinal, me fez copiar os mesmos desenhos em qualquer papel solto, rascunho ou caderno da escola. Na época, adquiri o songbook pra debulhar aquelas músicas nos mínimos detalhes. Nunca mais tive essa vontade bizarra. Os amplificadores foram torturados, porque eu tentava de tudo pra conseguir aquela timbragem com o meu Washburn Lyon. Minhas aulas de inglês ficaram mais interessantes, já que eu tinha aprendido muitas palavras “exóticas” com aquelas letras. Hoje à noite irei ouvir mais uma vez esse CD que mudou minha adolescência.
E ai? O que o 'Dookie' mudou na sua vida?

3 comentários :

  1. Não, não mudou nada.

    ResponderExcluir
  2. Dookie é foda, mas não é meu álbum e nem a minha fase preferida do Green Day.

    ResponderExcluir
  3. RAPAZ , ESSE ALBUM TEM A MINHA IDADE . E inacreditavelmente mudou sim, um bom motivo pra se levantar do sofa e fazer alguma coisa, qualquer coisa e fazer coisas é bem punk ,a gente aprende isso com o tempo.

    ResponderExcluir